11/07/2007

Pequim tem desfile de moda feita de camisinhas


Camisinhas de todas as formas e tamanhos foram mostradas nesta quarta-feira (11) em um desfile de moda em Pequim com vestidos, chapéus e até mesmo pirulitos. Modelos passavam entre extravagantes efeitos especiais de bolhas de sabão para exibir vestidos de noiva, biquínis extravagantes e outras peças feitas inteiramente de camisinhas, infladas ou não.

O desfile aconteceu na 4ª Feira de Novos Produtos e Tecnologias Reprodutivos da China e foi organizado pela Guilin Latex Factory, a maior fabricante chinesa de camisinhas, para promover a prevenção e o combate ao HIV/Aids. O evento também foi promovido em homenagem ao Dia Mundial da População, organizado anualmente pelo Fundo Populacional das Nações Unidas.

Com uma população atual de 1,3 bilhão de pessoas, a China introduziu uma política rígida de filho único no final dos anos 1970, pela qual muitos casais não são autorizados a ter mais de um filho. "Um filho não é o suficiente - dois é um número melhor", disse o visitante Song Weiliang.

Mas o objetivo principal do desfile de camisinhas foi promover a conscientização do problema da Aids. Originalmente a China qualificou a Aids de doença do Ocidente capitalista e decadente - um problema de homossexuais, profissionais do sexo e usuários de drogas. Oficialmente, esses setores não existiam na China comunista.

O país demorou, mas acabou despertando para o problema, e especialistas em saúde avisaram que o vírus agora está se espalhando pela população geral. Mas, de acordo com especialistas em saúde, a escassez de educação sexual e a pouca abertura para se falar de sexo ainda constituem obstáculos ao combate à doença.

Nenhum comentário: