26/08/2007

Recados



Tenho pensado muito ultimamente. Minha memória nunca foi muito boa e nos últimos anos ela tem piorado muito! As recordações surgem na minha mente como flashes, como fotografias de um tempo bom (ou ruim). Pessoas, acontecimentos, nomes e datas teimam em desaparecer da minha memória, sem mais nem menos. Muita gente marcante passou pela minha vida, outras passaram e nem souberam e algumas ainda vão passar. Para algumas delas gostaria de dizer umas poucas palavras:

- tia Maria Alzira: saiba que eu sentia um baita orgulho de ser a primeira da fila e ir para a sala de aula segurando a sua mão que, delicadamente, conduzia a turminha dos pequeninos.

- tia Olinta, suas pizzas com massa feita de nata foram as melhores que eu já comi na minha vida! E seu bolo de nozes também.

- meu primeiro namorado: eu quase morri de vergonha naquela matinê de carnaval, quando, depois do primeiro beijo, você me perguntou se era o meu primeiro beijo na boca.

- meu segundo namorado: ah, cachorro, você fez de mim gato e sapato! O pior é que eu gostava!

- uma prima: eu não roubei seu namorado quando eu tinha 13 anos, como você pensa até hoje. Talvez um dia você conheça a verdade.

- um professor de matemática: nossa, como eu era louca por você! E como todas eram! Pelo que eu soube, até hoje você causa sensação nas mocinhas, embora não seja mais um mocinho. Bons tempos aqueles, de conversas intermináveis ao telefone madrugada adentro.

- meu primeiro chefe: você me humilhou muito quando perguntou se eu era burra ou estava me fazendo de burra ao errar uma tarefa. Até hoje nunca me arrependi de ter sumido por uma semana levando as chaves das suas gavetas onde você guardava a sua vida.

- meu segundo chefe: não fui eu que contei para a sua esposa que você ia levar a sua amante no coquetel de inauguração do escritório, foi a mocinha do café.

- meu último chefe: agora que você também foi demitido, me conta, quem mandou você me demitir?

- meu chefe atual: eu acredito no seu crescimento profissional. Quando será?

- minha mãe e meu pai: saudades e minha gratidão eterna por terem me escolhido como filha.

- meu primeiro marido: que Deus o tenha; já foi tarde.

- meu segundo marido: eu sei o que você fez nos verões passados. E nas primaveras, outonos e invernos também.

- meu último namorado: tá, eu admito, eu gostava muito de você, mas passar quase um mês sem ver estrelinhas foi flórida.

- meu futuro namorado: você esqueceu de se apresentar (para mim). Está livre essa noite?

- meus comentaristas: amo ocêis tudim!

- um certo alguém: sinto muita falta de você...

- uma ex BBB: desce do palco que o espetáculo acabou. Conhece a história da Adriane Galisteu? Espelhe-se nela!

Nenhum comentário: