15/03/2009

Delicinha e Fofurinha, leves e soltos!

Como eu disse no post de ontem, se Boninho planejava desestabilizar o casal Fran e Max com a jogada do cartão de Dejota, entregue em separado, após Fran ter lido as cartas da família e aberto o presente da mãe, deve estar muito frustradinho. Fran deu uma balançadinha, talvez, mais pela surpresa da mensagem e pela irrupção súbita do ex-namorado no mundo particular, isolado da realidade fora da casa, no qual está vivendo uma relação afetiva com Max. A reação dela não foi de alegria com a recepção do cartão, parecendo não ter gostado da surpresa. E, só o leu para os outros, porque a “voz do além” ordenou-lhe que o lesse. Assim, a leitura do mesmo deu-se de forma seca, sem comentários elogiosos e sem efusões afetivas. Talvez, Fran estivesse, hoje, muito mais pensativa e angustiada com o problema da imunização.

Se, interiormente, Fran ficou perturbada, soube reagir e arrumar as idéias e emoções, não mudando em nada na forma de relacionar-se com o Benhê. Quando a Max, além de certo constrangimento momentâneo não o abalou, como disse a Flávio em uma conversa entre os dois na cozinha sobre a carta de Dejota. Flávio, não sem uma ponta de malícia disse a Max, em tom afirmativo: "A carta deu uma balançada nela, e em você". Max, sem perder a calma habitual, respondeu: "Eu não fiquei mexido, se a carta foi para mexer com a gente não conseguiu. Pelo menos não comigo", afirma o carioca.

Como disse Jane em seu Post (TDM), “Max tirou de letra a carta do DJ. Só queria ver como seria se a Ka tivesse mandado o mesmo tipo de carta para Max... Qual teria sido a reação de Fran?” Conhecendo a insegurança, a carência e o temperamento ciumento da Fofurinha, sabemos que ela não encararia a situação com a mesma compreensão e segurança demonstradas por Max. Ele sabe que ela não teve culpa no incidente e confia nela.

Francine é uma pessoa que cumpre o que promete, mesmo que a promessa feita à Ana de imunizá-la, na terceira semana do jogo, já não tenha nenhum sentido na altura em que está o jogo. Agravava ainda mais o conflito da gaúcha livrar Ana do paredão e deixar Max desprotegido. Ela procurou Max para conversarem sobre o assunto, expondo suas dúvidas ao Benhê, revelando temer que as pessoas não entendam seu gesto, por acharem que “eu deveria dar o 'Anjo' para vocês, que são meus amigos", disse Fran para o namorado Max.

A reação de Max foi coerente com a atitude correta que ele sempre defende e pratica. Assim, prontamente incentivou Francine a honrar a sua palavra, cumprindo a promessa feita à Ana: "Eu sou a favor da palavra. E, se você disse que ia dar para ela, isso não se discute", afirmou. Percebendo que a Fofurinha não se sentia segura com a decisão a ser tomada, Max a tranqüilizou: "Se eu realmente me sentisse ameaçado, não sairia da Prova do Líder”, acrescentando que se fosse para o paredão, não teria mais medo. Assim, foi de comum acordo a decisão de imunizar Ana. Tranqüila, Fran lembrou o lado positivo do cumprimento da sua palavra: “Isso vai ser bom para a Naná tentar colocar na cabeça dela que não existe voto combinado nem pacto entre a gente”. Existe amizade", afirmou Francine.

Como eu poderia não torcer por essas duas pessoas que sabem maximizar seus princípios e seus valores, que não se perdem em jogadas antiéticas, mesmo correndo o risco de sofrerem sérias conseqüências com a decisão assumida, ou seja: um dos dois serem votados para o paredão, pela própria Ana, além de Naná, Joseane e algumas pessoa do seu próprio grupo, como Priscila e Flávio, ela por estar se sentindo ofendida com o castigo do Monstro, considerado uma piada de mau gosto de Fran, ele por dois motivos: não ter sido imunizado e não gostar de Francine.

Nenhum comentário: