15/05/2009

11º Episódio - Prova da reciclagem

.
A jovem Maytê Soares, de 18 anos, não resistiu a mais uma sala de reunião e acabou demitida com muito pesar por Roberto Justus. O apresentador concordou com a orientação dos conselheiros Cláudio Forner e Walter Longo de que a participante já fez coisas extraordinárias no programa, mas que mostrava sinais de esgotamento. Confesso que não entendi a escolha dos conselheiros muito menos a concordancia de Justus, que chegou a considerar Maytê um 'pequeno gênio'.


No episódio de ontem os candidatos tiveram que criar uma peça funcional a partir da sucata encontrada em uma empresa de reciclagem de metais. A equipe mais criativa, que utilizasse os materiais disponíveis de forma mais engenhosa e criasse a peça mais estrutural, ganharia a recompensa.

Logo no ínicio, uma conversa de Stephanie com Marina e Ana Paula, integrantes da Maxxi: "fui muito criticada na última sala de reunião, mas eu sei separar as coisas. Não estou aqui para ouvir elogios. Nós precisamos nos unir e fazer um bom trabalho. Na próxima tarefa, concentração total". Durante o processo de criação das peças, era visível a diferença de dinâmica entre as equipes. A Best trabalhou com alguns conceitos até decidir seguir uma sugestão dada por Karina. A equipe desenvolveu uma mesa com um prato giratório, que permitiria a uma família se servir sem precisar levantar para alcançar as travessas de comida.

A Maxxi teve muita dificuldade em ajustar as ideias de cada integrante. A líder Ana Paula por várias vezes se via em meio a uma guerra de egos entre Stephanie e Marina. "Tudo tem que ser ideia dela", reclamava Stephanie.

Enfim, a Maxxi optou por construir um quiosque com energia solar, que poderia servir como um carregador de celular ou notebook em meio a um parque ou praça. A ideia partiu novamente de Marina. Na Best, Maytê se ocupava de fazer as compras necessárias para a montagem da mesa, além de elaborar uma luminária que acompanharia o móvel. A ausência física da estudante de publicidade colaborou para a tese de Rodrigo, Karina e Mariana de que Maytê não se empenhou como deveria. Nem poderia, pois delegaram à ela a função de office girl, sendo impossível que estivesse presente o tempo todo.

Enquanto os integrantes da Best faziam reclamações brandas uns dos outros, sem exatamente criticar o colega, as meninas da Maxxi se atacavam sem dó: "Ana Paula como líder, ela é um pouco histérica", afirmou Marina.

Nos últimos ajustes, a Best se viu com problemas sérios no mecanismo que girava o prato central: o motor estava muito acelerado. Além disso, na hora da apresentação, a luminária falhou. Ela apenas acendeu quando Justus a tocou - e quase levou um choque.

As meninas da Maxxi discutiram até na hora da apresentação. Elas queriam fazer uma cobertura de lona para abrigar Justus e os conselheiros, mas discutiam se o vento muito forte não arrastaria toda a estrutura. Acabaram optando por cobrir o quiosque com a lona e revelá-lo na apresentação, ação que funcionou muito bem.

Numa disputa muito apertada, que mostrou criatividade das duas equipes, Justus escolheu a Maxxi como a vitoriosa. Segundo ele, o que as levou à vitória foi a apresentação de um produto finalizado e pronto: "Eu poderia pegar este quiosque agora mesmo e colocá-lo no Parque do Ibirapuera". Já a mesa da Best foi vista apenas como um protótipo, mas também recebeu muitos elogios: "esta foi uma derrota com gostinho de vitória", afirmou Justus.

Como recompensa, Ana Paula, Marina e Stephanie foram a Minas Gerais e fizeram um passeio de helicóptero pelas cidades históricas, além de visitar uma fábrica de automóveis. Ao contrário do episódio anterior, em que as integrantes da Maxxi se acusaram de forma muito dura ao se verem na sala de reunião, a Best se portou com mais calma, reconhecendo erros e apontando educadamente os equívocos dos colegas. Era visível o esforço de Justus para criar alguma polêmica entre os integrantes. Diante de quatro bons candidatos, Justus sabia que teria uma escolha muito difícil. Tanto Karina como Rodrigo e Mariana possuíam 7 vitórias. Maytê tinha 5 vitórias, mas já havia se mostrado muito competente na sala de reunião.

Maytê recebeu críticas por não se envolver de maneira completa com o projeto e sua pouca idade acabou se tornando um problema Ele chegou a perguntar se Maytê sentia que era tratada como "café-com-leite" pelos outros integrantes. A estudante disse que já havia se sentido assim na competição, mas não desta vez. Justus também esclareceu para a Best que, em um caso de empate, daria a vitória para a Maxxi por ter um integrante a menos. O conselheiro Walter Longo apontou vários defeitos na mesa criada pela Best, tais como a velocidade exagerada do motor, além da espessura da placa giratória, que poderia machucar a mão de alguém. Além disso, a mesa era pequena demais para necessitar do prato giratório. Mariana, a líder, assumiu os erros da equipe e indicou Rodrigo e Maytê para retornarem à sala de reunião com ela, optando por salvar Karina.

Os conselheiros comentaram com Justus que as colaborações de Maytê eram cada vez mais raras e que talvez ela estivesse esgotando sua criatividade. "Apesar de ser muito inteligente, não vejo mais resultados de suas participações", disse Cláudio Forner.

Justus questionou a presença de Mariana na competição, já que ele tinha empresas de marketing e comunicação e ela era estudante de ciências da computação. Mariana se defendeu dizendo que este seria justamente o seu diferencial.

Rodrigo, que elogiou a atuação de Mariana como líder, foi questionado se havia um sentimento de ter sido injustiçado ao estar ali, em vez de Karina. Ele afirmou que a decisão ficou a critério da líder.

Justus então fez um discurso emocionado, dizendo que Maytê era um exemplo para a juventude brasileira. "Essa foi uma das demissões mais complexas que já tive que fazer". O apresentador, que já a salvou de outra demissão - quando Álvaro acabou saindo -, chegou a se referir a Maytê como um "gênio de 18 anos". O apresentador fez questão de cumprimentá-la pessoalmente. "Agora, as demissões serão todas assim", afirmou Justus.

No carro, Maytê ainda se emocionava: "O mais difícil aqui é separar o pessoal do profissional. Ficar três meses longe de casa é horrível. O que eu levo disso é que se alguma vez eu deixei a desejar é porque tudo aqui é muito intenso. Só estando aqui para saber", disse ela.

Nem preciso dizer que não gostei, não é mesmo?

Nenhum comentário: