06/05/2009

Aprendiz 6 - divulgação e rentabilidade


A tarefa de ontem consistia em 60 produtos da Fnac, que deveriam ser vendidos on-line, com custos mais impostos. Eles deveriam criar banners, campanhas, promoções, usando a criatividade para vender o máximo de itens possíveis. Eles contaram com a parceria da Luft Solutions, que cuidou da logística destas peças. Um plano de logística foi entregue pelos aprendizes para a empresa responsável. Venceria o grupo que apresentasse a melhor estratégia de divulgação e rentabilidade.

Junto com a equipe Maxxi, todos se encontraram no setor de TVs da loja. O publicitário avisou sobre a complexidade da tarefa e do quanto ela exigiria de todos os participantes. Antes disso, ele perguntou pelos líderes de cada equipe: Mariana, pela equipe Best e Rafael, pela Maxxi. A líder da equipe Best precisou escolher um componente da Maxxi para integrar o grupo e equilibrar a quantidade de participantes. Ela optou por Rodrigo.

Na sala de reunião, Justus diz que a tarefa era realmente complexa. Rafael diz que o fator "tempo" foi o mais complicado. E Claudio Forner coloca que o posto de controle foi totalmente abandonado, fazendo com que o tempo de entrega subisse cada vez mais. Longo complementa, dizendo que o grupo não conseguiu derrubar esta média, que ficou inalterada até o final da missão. Rafael tenta explicar a decisão de deixar a sala de monitoramento sem ninguém - Marina foi ajudar no armazém e Maitê, ao banco.

O líder diz que preferiu deixar todos ajudando, ao invés de deixar alguém no painel. Walter Longo o interrompe, dizendo que ele deveria ter ficado no controle, observando o "todo". Justus diz que, em determinado momento, os preços não batiam com o banner criado pela equipe. "O comércio eletrônico funciona de uma forma completamente diferente do varejo normal", diz o conselheiro.

Karina diz a Justus que Marina tentou resolveu muitas coisas, ao mesmo tempo, sem focar em nada. E por outro lado, Maitê também se perdeu em sua função. Marina tenta se explicar, dizendo que o que realmente faltou foi um feedback de Maitê, no momento em que o grupo mais precisou. A mais jovem aprendiz se mostra nervosa, mas consegue se safar, ao declarar que o grupo parecia afobado e deseperado, ao pedir os itens menos vendidos da lista. E que não teve tempo de fazer esta listagem antes por estar completamente atarefada com outros problemas burocráticos do grupo a serem resolvidos.

O líder foi questionado, sobre a pouca importância que deu à sala de controle. Ele diz que preferia ficar lá o tempo todo, que ficaria mais à vontade. Mas confessou que preferiu ficar mais perto dos pacotes e entrega, pois sentiu-se mais seguro. Maitê diz que o grupo todo não deu devida importância à sua função.

Justus se questiona sobre a ausência do líder, para dar um direcionamento. Álvaro é questionado sobre o depoimento dado à produção, em que afirmou ter "uma visão global do armazém". Ele se defende, dizendo que teve oportunidade de participar de todas as etapas da tarefa, e que sentiu uma certa "falta de energia" de Rafael.

A falta de humildade de Álvaro é colocada novamente em discussão. Todos se colocam ao mesmo tempo, por não concordarem com as declarações dos colegas. O líder então decide por Álvaro e Maitê para irem junto com ele para a segunda parte da sala. Marina e Karina voltam para o hotel.

Forner diz que os três carregam sua parcela de culpa para a derrota, mas segundo ele, Maitê negligenciou dados importantíssimos que poderiam fazer a diferença para o desempenho da equipe. Walter Longo discorda, e diz que Rafael foi indiferente e distante com a sala de controle - o local mais importante para a definição de mudanças de estratégias de urgência.

Maitê diz que, para a equipe, ficou fácil acusá-la, pois ela estava distante do trabalho braçal. Rafael contesta, dizendo que sabia de todos os processos. Justus interrompe que cobrança e acompanhamento "full time" são os papéis fundamentais do líder. E que Rafael não teve a iniciativa de fazer a leitura dos números, que poderiam mudar o quadro e trazer a vitória ao grupo.

Justus diz que quer esquecer a prova e quer falar sobre pessoas. Começa com Maitê, perguntando porque ela deve ser contratada por eles e permanecer no programa. Ela cita títulos recebidos pela Young & Rubican, como o de uma das melhores empresas para as mulheres trabalharem, e que ela é apaixonada em tudo que faz, buscando sempre a excelência. Roberto fica bastante vaidoso com a referência, e com o conhecimento da aprendiz em relação à sua empresa. Álvaro diz que se considera superior à Maitê e também Rafael, especialmente no quesito "gestão de pessoas". O líder diz que se considera melhor por ter vontade de aprender e por se relacionar bem com todos. A falta de humildade de Álvaro é novamente tocada por Justus e seus conselheiros.

Mas Justus considera que a falha foi coletiva, e que neste caso, a culpa é do líder. Rafael então é demitido pelo apresentador, e se surpreende. No táxi, ele diz que tudo o que viveu foi muito intenso, e que em apenas uma tarefa você pode ir do céu da recompensa ao inferno da sala de reunião.

Nenhum comentário: