10/07/2009

Tricotando, agulhando e divertindo-me!


Já passei boas horas em Marte, papeando com Mamis, esqueci o mundinho das frutas bundarudas e voltei em vôo rasante para a sengraçante Fazenda do Brito. Ela é um tédio absoluto, mas sempre há algo com que nos divertirmos e dar risadas, nem que seja do ridículo de alguns, da seboseira e da vulgaridade de outros e da aflitiva superficialidade de todos. O que prolifera, vinga e assume viço na Fazenda é mesmo a santa maledicência e besteirol. No departamento vida alheia, venenosidades e ranço, impera o trio imbatível formado pela Samambaiosa bundalhuda, Madame Latino, a das sobrancelhas vampirescas e bagageiro de caminhão FNM, além do indefectível fedorentino, feioso e falso (FFF) Carlinhos. Que trio!

Esse trio não fala mal dos outros, eles detonam geral. Claro que o alvo preferido é a megerinha indomada Luciele, pela qual os três nutrem feroz animosidade. Não lhes tiro a razão de não gostar da filhota de Francisco, mas podiam ser menos falsos e variarem o assunto. Nem a Fabiana, a amiga especial da Megerinha a defende. Vixe, meu Padrin Ciço! A menina Luciele está na bico do corvo, como diria Naiá. Se é amiga e não defende, imagina se não fosse. Mas não é apenas em Luciele que soltam veneno, sobra também para Jonathan.

Juro que não é implicância minha com o cara repolhuda do super FFF Carlinhos, mas não consigo engolir em seco o carinha, não acho a mínima graça no humor de botequim dele, tampouco concilio-me com seu hábito fétido de ficar soltando seus gases metano pela casa, sem o mínimo respeito pelos narizes dos outros.
.

E o que foi aquele trabalho de fabricar vinho? Mon Dieu! Todos pisando a uva, dentro daquele tanque, de pés sujos... Dado de chinelos, os mesmos que anda pela fazenda, pisando sujidades... Valha-me meu São Benedito! Abana-me Cristo, que estou sufocando! O que vai de energia negativa naquele suco de sujidade...Vade Retro! Sei que a fermentação limpa o vinho, liquida com as bactérias...mesmo assim, é muito para mim tanta falta de higiene!

Enquanto faziam a festa pisoteando a uva, onde deixaram Max? Ora, ora, deixaram o belo, maravilhoso e carismático Max , até a madrugada, amarrado fora da casa, como se fosse um cachorro qualquer acostumado à vida dura do campo e não um fidalgo, um refinado dog habituado aos bons tratos. Poisé, o doguinho ficou lá fora, melancolicamente roendo um troço qualquer.
.
O pior foi ver jogarem uvas para o cão, sem a menor preocupação em saber se iria fazer-lhe mal, pois é fruta ácida. Onde estava Pedro e a Filha de Francisco, que dizem amar os cães, mas não viram tal maltrato? Onde estava Dado que permitiu amarrarem o Lord Max no sereno e no frio? Só fizeram média com Max. E isto na noite em que chegou, gerando inclusive conflitos entre a peonada.
. .
Na verdade, apesar dos pesares e desse descuido com o dog, quem gosta mesmo do cão, quem se preocupa com ele é o insuportável Dado. Triste destino estaria tendo o meu belo e amado Max se Dado não tivesse se interessado por ele. Por este gesto humanitário e de amor aos animais, vou abrandar com Dado. Se ele for embora da casa, o que será de Max? Torço adoidadamente por MAX CAMPEÃO do reality A Fazenda! Vai, Max, que esse jogo é seu!

Quem quiser avaliar até que ponto vai o niilismo dos diálogos entre as celebridades da fazenda, os super astros, os tais famosos que a Record escolheu para o reality é só pegar a conversa hiper inteligente de Dado com Jonathan. Fiquei arrepiada, quando ouvi Dado explicando para Jonathan a razão que o leva a não ver nele um amigo: com todas as letras Dado disse que se visse uma meleca no nariz de alguém ali, diria, para que a pessoa limpasse e não pagasse mico, mas Jonathan viu que ele estava com uma espinha no rosto e não disse nada! É de pasmar! É de sair correndo de volta para Marte, levando Max comigo!

Fábio disse tudo, na entrevista que deu ao sair da casa. Realmente, aquilo lá não era ambiente para uma pessoa educada, habituada à higiene, aos bons modos à mesa, a um tipo de linguagem menos chula. Imagino o que sentia ao ver Madame Latino arrancando as cutículas na hora das refeições. Que nível! Mon Dieu!

Nenhum comentário: