27/09/2009

Farmville, o vício

Nesses meus dias de repouso forçado - pra quem não sabe, torci o joelho - tive que procurar atividades condizentes com a minha condição física. Retomei a leitura da biografia da Madona e comecei a ler Mein Kampf, escrita por Hitler. Não terminei nenhum dos dois, porque meu vício maior é a Internet. E jogos. Ah, como eu gosto de jogos! Infelizmente não tenho videogame, senão ia ser uma festa!

Nos últimos tempos muito ouvi sobre uma tal fazendinha virtual, onde a gente poderia plantar, colher, cuidar dos animais, plantar árvores, aumentar o patrimônio. Eu não seria eu se não fosse lá conferir esse novo vício.

Minha fazenda: situação atual

Farmville é um jogo em forma de aplicativo do Facebook. O primeiro contato com o jogo já ensina o uso das ferramentas básicas de plantar, carpir e arar a terra. Os produtos que podem ser comprados são sementes, árvores, animais, peças de decoração, construções, expansão da fazenda e tratores. No início, só alguns produtos estão desbloqueados, mas, com o passar do jogo, conforme se ganha experiência e se sobe de nível, é possível comprar e dar outros.


Fazendinha da minha filha

'Mariquinha, não entendi: como assim, dar?' Eu explico: é possível trocar presentes gratuitamente com vizinhos uma vez ao dia. Os vizinhos são outras pessoas que jogam Farmville e que constam como seus amigos no Facebook. Quanto mais vizinhos, mais presentes! Algumas árvores e animais só podem ser conseguidas através de doações de vizinhos.


Meu bode Every Bode e minha vaca Avaca Lhada

Cada 'fazendeiro' pode aperfeiçoar o seu pedacinho de terra da maneira que achar mais conveniente. Ah! E tem que tomar muito cuidado para não passar da hora da colheita, senão perde dinheirinho e corre o risco dos sem-terra invadirem (essa última parte é invenção minha, gente...).

Então...quer ser meu vizinho?

Nenhum comentário: