17/10/2009

Por isso eu odeio os médicos...


- Pra corrigir isso, só operando. Não tem outra maneira. Se não operar, em 5 anos seu joelho estará totalmente destruído!

Foi exatamente assim que o 'doutor especialista em ortopedia de joelho' sentenciou meu destino ao examinar o laudo da ressonancia magnética, que é outra coisa que odeio, porque sou totalmente claustrofóbica.

Mas vamos começar do começo: pra quem não sabe, no meio do mes passado eu sofri um acidente ridículo. Estava eu muito cansada e resolvi pegar um busão mais confortável, com ar condicionado, poltronas reclináveis, em vez do coletivo velho, barulhento e cheio de gente que fala alto que pego todo santo dia.

Pois bem...lá pelas tantas - muitas tantas, porque moro longe pra dedéu de onde trabalho - o cidadão que estava roncando no cantinho resolveu levantar correndo, porque acordou e percebeu que tinha passado do seu ponto. Então eu, gordinha e pesadinha, vendo que o camarada não ia conseguir passar com facilidade, resolvi me levantar para que ele desentalasse lá do canto. Maldita hora que não deixei o cidadão se virar e passar por cima! Na pressa, ao me levantar, torci o joelho de tal maneira, que ele teve que passar por cima, porque eu não conseguia mais me mover.

A dor era alucinante...o desespero, mais alucinante ainda, porque eu não tinha a menor idéia de como eu ia chegar ao hospital, ou em casa, porque o busão de gente rica não passa na minha porta. Enfim, resolvi descer e pegar outro ônibus, para chegar mais perto do hospital. Daí me lembrei que o outro também não me deixaria lá, mas um tantinho longe. Sem grana pra bancar um táxi, resolvi ir para casa e lá conseguir ajuda para um socorro.

Pois bem...pro meu azar nesse dia não tinha ninguém em casa: a filha tinha ido dormir na casa do pai e a minha ex-sogra, que passa 364 dias do ano enfiada na minha casa, escolheu o 365º dia para dormir na casa do filho dela. Resolvi ir direto pra casa e, se não melhorasse, iria ao médico no dia seguinte.

Não melhorei. Ao contrário, piorei muito! A dor só aumentava e a noite foi um tormento. Pela manhã eu não conseguia colocar o pé no chão. Chamei o vizinho e pedi: 'me desova lá no hospital'. E lá fui eu. Saí de lá com a perna engessada e um atestado médico de 8 dias. Quando retornei para tirar o gesso, o ortopedista que não entendia nada de joelhos mandou eu fazer uma ressonancia. Nem preciso dizer que quase morri dentro daquele forno gigante. Como é que ainda não inventaram uma coisa menos torturante, gente?

Então lá fui eu para o especialista em articulações, o tal que lá no início do post praticamente me amarrou na mesa de cirurgia. Saí do consultório com o diagnóstico de estiramento do ligamento do joelho, com o pedido de pré operatório, e uma sentença de, pelo menos, 45 dias de muletas. Isso significa receber pelo INSS, não receber auxílio alimentação, não receber integralmente a participação nos lucros da empresa onde trabalho e o pior de tudo, ir à formatura da minha filha de muletas!!! É a treva! Se um dia eu encontrar novamente aquele dorminhoco retardatário que estava entalado na poltrona do canto, juro que quebro a perna dele com a minha muleta!

Nenhum comentário: