24/01/2010

Bafões e babados


A festa de ontem foi recheada com muita dança, muita bebida, muito choro e muita fofoca. O melhor da noite foi Cacau ter perguntado para Dicesar se ele achava que Eliezer era gay, fato que toda a blogosfera já comenta desde o primeiro dia de programa. Enfim, acho que Cacau nunca esteve interessada no modelo e pouco está se importando com o peso da acusação que jogou em cima do rapaz. Tudo bem, ele é um bocó, mas foi feio o que ela fez, sabendo estar sendo vista por todos nós. Acho que esse namoro, assim como o do Michel e Tessália, está com os dias contados.

No meio do papo entre Cacau e Dicesar, Eliezer chegou e Cacau contou, na maior cara de pau, o assunto que estava conversando com o drag. A princípio o rapaz riu meio sem graça, mas depois resolver encarnar a Maria do Bairro e foi choramingar nos braços de Cadu, no quarto do líder. É ou não suspeito?

Lia foi a mais irritante da noite, com seus papos sobre estratégia de jogo e, como sempre, não deixando ninguém falar. É incrível como só a verdade dela é a mais importante! Ficar falando de jogo em dia de festa, e fora da festa, deveria ser passível de confinamento no quarto branco.

Tessália e Michel passaram a noite analisando os participantes. Tess é hilária e, embora eu acredite que ela vá enfrentar o próximo paredão, não gostaria que ela saísse. Ela é peça importantíssima no jogo e já desponta como a primeira vilã de todas as edições, entrando para o seleto grupo masculino onde já estão Alberto Cowboy, Dr. Gê e outros.

Morango soltou a franga. A dica do Bial foi preciosa para que a repórter participasse mais da festa. Eu só não esperava que ela participasse tanto. Vestida com modelito Geisy Arruda, tomou todas e aprontou um chororô digno de Janete Clair, por causa da namorada que deixou aqui fora. Um saco! Além disso, se juntou à turma dos que querem catequisar Dourado e foi lá dar a sua contribuição, tirando do rapaz a melhor frase da noite: "essa minha cara feia só me f..."

Dourado está longe de ser perfeito. Muito pelo contrário, tem muitas atitudes que incomodam o grupo. Com o pai pegou gosto pelas lutas e com a mãe conviveu com a dança, as artes.

Um dos muros psicológicos que tanto Boninho falou no início do programa é o que se instalou entre Dourado e os novos BBBs. Esse muro se chama o 'futuro' que eles não querem para eles. Dourado foi discriminado depois de sua participação no programa. Ganhou dinheiro, mas perdeu tudo e foi trabalhar como operário em uma fábrica de frutas na Nova Zelandia. Sem conseguir o suficiente para o seu sustento, voltou ao Brasil para trabalhar em academias de ginástica. Certamente esse não foi o futuro que Dourado ou qualquer ex-bbb sonhou ao se inscrever no programa. Certamente esse não é o futuro que essa turma ainda deslumbrada com a possível fama quer ter para si. Esse muro vai ser difícil de digerir.

Nenhum comentário: