25/12/2007


E o bate-boca continua. Irislene Stefanelli, a BBB mais comentada de todos as edições, parece que ainda não aprendeu a ser humilde e calar, quando a situação pede. Quase um ano depois de ter saído do programa, a loira continua sem trava na língua, agindo por impulso e totalmente sem assessoria.


"Mala" é vc!!!

Gente, quero mais uma vez, agradecer o carinho e o apoio de todos que torcem por mim. Hj é natal e estava muito feliz na minha casa nova, comemorando com toda a minha família. Entretanto, fui surpreendida com uma notícia que me deixou chateada e revoltada. Me falaram que fui votada como a "mala do ano";Mala é esta pessoa que veio estragar a minha felicidade conquistada com muito trabalho honesto e esforço próprio.Além disso, discordo desta pessoa que diz que estou desaparecendo;tenho dois contratos de trabalho (Rede TV e IG), dois licenciamentos (Impala e Sirizinha), várias campanhas, agenda sempre lotada de eventos; Além disso, fui a celebridade revelação de 2007 pela revista Contigo, Fui a 7ª mulher mais sexy eleita pela revista vip, meus blogs são os mais acessados na net, ganhei vários títulos de personalidade em 2007. Quero dizer a estes "malas" que não sou nenhuma mala. Nunca me envolvi em escândalos, baixarias, não faço mal, não prejudico ninguém. Quero desejar um feliz Natal cheio de amor e paz a todos os meus queridos fãs e amigos. Que Deus ilumine o coração de todos vcs que me deram tantas alegrias, tanto conforto, tanto amor e que me fazem querer ser uma pessoa melhor a cada dia. Bjs de Coração com todo amor e carinho. Siri.


Essa foi a resposta da ex Big Brother, em seu blog, ao jornal Correio da Bahia, que divulgou anteontem o resultado do 'Melhores & Piores de TV Press 2007' (nem sei o que é isso, mas está lá na matéria), dando à Íris o troféu Mala Pesada 2007.

'Chateada e revoltada', Íris esbraveja, bate no peito e é soberba. Não hesita em nenhum instante em revidar na mesma moeda qualquer crítica que receba.

Não concordo que ela tenha sido a mala do ano, acho até mesmo que o troféu caberia a um certo rapaz loiro, de língua bem maior que a dela, mas enfim...

Não fazer mal a ninguém, trabalhar com honestidade, não se envolver em escândalos, não a tornam uma pessoa acima do bem e do mal, muito menos um ser perfeito.

E antes que venham aqui dizer que eu não gosto da Siri, esclareço uma coisa: torci muito por ela, não votei para aquele sujeito ficar na casa, tomei partido dela sim, mas já está mais do que na hora da moça crescer, juntar à todas as qualidades que possui, um pouco mais de sabedoria, humildade, esperteza e inteligência.

Sem dúvida Siri ganhou mais dinheiro do que todos do BBB7. Trabalhou muito, mas esqueceu que a fama é efêmera, que o BBB8 já está pintando nas nossas telinhas e que, como diz o ditado, quem não tem competência não se estabelece.

Siri quer ser respeitada como profissional, mas o quê ela fez ou está fazendo para que isso aconteça? Teatro, jornalismo, alguma coisa? Não, não está. Apenas conta com o apoio e o amor das pessoas que a idolatram, mas o amor também acaba, perde o foco e muda de rumo, se não tiver retorno.

E não me venha a turma do contra dizer que Siri ganhou mais enquetes, vendeu mais revistas, conseguiu mais contratos ou ganhou mais dinheiro porque as hebes, mexicanas - ou seja lá que nome tenham - passaram o ano limpando cookies. Se os fãs tivessem esse poder todo, o final do BBB7 teria sido bem diferente.

Se ela conseguiu movimentar essa legião de fãs, foi por mérito dela, e só dela. Mas ela precisa cultivar isso, devolver todo o amor que recebe em forma habilidades. Talento não se compra, mas habilidades podem ser desenvolvidas, se a pessoa resolver sair da sua zona de conforto e ousar ser mais do que sempre foi.

Nenhum comentário: